quinta-feira, 23 de novembro de 2017

A linguagem do Amor

Tão importante como o tratamento físico é o tratamento humano, e também aí tudo corre bem. Circulo pela aldeia de casa em casa e… sinto-me “em casa”. Recebem-me sempre com muita alegria, e alguns já respondem em português (“Bom dia, como está?”) à minha saudação em macua. Expansiva como sou, logo que me afeiçoo às pessoas manifesto o meu carinho através de beijinhos, abraços e carícias. Aqui as gentes não são nada dadas a esse tipo de manifestações – a linguagem corporal das emoções é expressa no canto e na dança. Então é “lindo” ver as tentativas para aprenderem a dar beijinhos. Juntam os lábios em forma de bico que abrem e fecham sem som, como as aves pequeninas… Agarram-me as mãos, encostam-se a mim e ficam muito quietinhos enquanto os acarinho – lembram os gatinhos pequenos na hora do mimo… Em muitos momentos de grande ternura digo-lhes tudo o que de mais bonito me ocorre em português – eles não entendem, mas a linguagem do amor não precisa de tradução, não é mesmo? (...)


Ana Maria (Voluntária da APARF ao serviço dos Leprosos)

Sem comentários:

Enviar um comentário